Timber by EMSIEN-3 LTD


Av. Otávio Braga de Mesquita, 871 – Vila Fátima - Guarulhos/SP

E-mail: [email protected]
Fone/Fax: (11) 2468-2215 – (11) 4962-2647

padre tarcisio

A Igreja no Brasil se prepara para a Campanha para a Evangelização, que acontecerá do Dia de Cristo Rei até o 3º Domingo do Advento. A iniciativa visa despertar os discípulos missionários para o compromisso evangelizador e para a responsabilidade com a sustentação das atividades pastorais no Brasil. Nesta edição, é proposto o tema “Cristãos leigos e leigas comprometidos com a Evangelização” e o lema “Sal da Terra e Luz do Mundo” (Mt 5, 13-14), em sintonia com o Ano Nacional do Laicato, que terá início no mesmo dia da Campanha.

 

Outro objetivo da Campanha é favorecer a vivência do tempo litúrgico do Advento e mobilizar os católicos do Brasil para uma Coleta Nacional que ofereça recursos a serem aplicados na sustentação do trabalho missionário no Brasil. Tal iniciativa considera a ajuda para dioceses de regiões mais desassistidas e necessitadas.

 

Coleta

 

O gesto concreto da Campanha para a Evangelização é a Coleta do 3º Domingo do Advento. De acordo com a Comissão Episcopal responsável pela campanha, pretende-se com os recursos arrecadados neste ano apoiar as inúmeras iniciativas da Igreja no Brasil promovidas pelos cristãos leigos e leigas no serviço da evangelização, da dinamização das pastorais, na luta pela justiça social, nas experiências missionárias das Igrejas irmãs e na missão ad gentes.

 

A colaboração na Coleta será partilhada, solidariamente, entre as dioceses, que receberão 45% dos recursos; os 18 regionais da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que terão 20%; e a CNBB Nacional, que contará com 35% das contribuições.

Neste mês de novembro quero refletir com vocês sobre as Celebrações de Finados, Todos os Santos e Santas, e Cristo Rei do Universo.

 

Finados: Nesse dia, não só recordamos nossos entes queridos que se foram, mas renovamos nossa certeza na ressurreição. Sentimos a dor da separação, mas não a do desespero. Sentimos o peso da saudade, mas nunca da incerteza da presença de Deus.

A morte é e sempre será um mistério que perpassa a história humana, e somente a Fé nos dá a certeza de um dia participarmos da alegria eterna no céu. Se com Cristo vivemos, com Ele morremos e como Ele ressuscitaremos. Com a ressurreição de Jesus, a morte foi derrotada, portanto ela não tem a última palavra. A última palavra é do Deus da vida que ressuscitou Jesus. Como afirma o prefácio da Páscoa, 1: “Jesus morrendo destruiu a morte, e ressurgindo deu-nos a vida”. O prefácio 1 da missa para os mortos tem um tom de humana suavidade e divina certeza: “Nele refulge para nós a esperança da feliz ressurreição. E aos que a certeza da morte entristece, a promessa da imortalidade consola. Ó Pai, para os que crêem em Vós, a vida não é tirada, mas transformada, e desfeito nosso corpo mortal, nos é dado, nos céus, um corpo imperecível”.

Vivamos aqui na terra preparando nossa morada no céu, pela vivência das bem-aventuranças, e vivendo a vida na doação por amor.

Todos os Santos e Santas: Celebrar a festa de Todos os Santos e Santas é celebrar a nossa vocação à santidade. Santidade não é privilégio de ninguém. Todos os cristãos de qualquer estado ou ordem são chamados à plenitude da vida cristã e à perfeição da caridade. É bom ressaltar que santidade não é fuga das realidades do mundo, e não é ficar de mãos postas rezando o dia todo. Santidade não é beatice, não é medo de viver, é uma atitude dinâmica, uma busca de pertencer mais a Deus. Não exige boa aparência. Santidade é viver o projeto de Deus, testemunhar os valores do Reino, viver segundo o espírito das bem-aventuranças, é viver e agir de acordo com a vontade de Deus. Ser Santo significa ser de Deus.

Que o exemplo de todos os Santos e Santas revigore nossa caminhada de santidade.

Cristo Rei: Com essa celebração, a Igreja encerra o Ano Litúrgico. Essa festa celebra o Cristo que reina pela cruz, dando sua vida para que todos tenham vida, e vida em abundância. Cristo é rei, porque se identifica e revela um amor de predileção pelos empobrecidos. Ele afirma que tudo o que fizermos pela libertação e pela promoção da dignidade humana dos empobrecidos e marginalizados, é a ele que estaremos fazendo, cf. Mt 25,31-46. Portanto, essa festa não pode ser compreendida no sentido de triunfalismo e pompa. A festa de Cristo Rei nos mostra o caminho do reino de Cristo: o serviço. Um rei que serve a humanidade, que se fez um de nós para que pudéssemos ter acesso a ele.

Que tenhamos aprendido essa sublime lição e estejamos prontos para servir. Que através da solidariedade, da misericórdia, do serviço que resgata e promove a vida em todas as suas fases e manifestações possamos fazer Cristo reinar no mundo de hoje.

Continuemos firmes evangelizando com amor, ardor, alegria e misericórdia, inspirados por Maria.

 

Padre Tarcísio.

Reunidos no 4º Congresso Missionário Nacional, de 7 a 10 de setembro de 2017, no Colégio Damas, em Recife (PE), nós, os 700 missionários e missionárias, vindos de todas as regiões do Brasil, fomos fortemente desafiados a testemunhar “A alegria do Evangelho para uma Igreja em saída”. A Arquidiocese de Olinda e Recife, com calorosa e fraterna acolhida, levou nosso Congresso para as ruas, antes mesmo de ele ser aberto, com a realização da Semana Missionária, nos seus oito vicariatos, atitude pioneira que enriqueceu nosso encontro. Seremos sempre agradecidos a esta Arquidiocese pela generosidade e disponibilidade que nos dispensou, nesses dias, no autêntico espírito de serviço amoroso e gratuito.

 

 

Aprendemos com o Papa Francisco que “a alegria é o bilhete de identidade do cristão”. Essa alegria foi o espírito que marcou os quatro dias em que estivemos juntos. Ela nasce do Evangelho que liberta e salva; expressa-se na sinodalidade e na comunhão que impulsionam a vida e a missão da Igreja; anima o testemunho e o profetismo que, a partir da cruz de Cristo, apontam para o nosso compromisso de discípulos missionários e missionárias.

 

Contemplar a realidade com o olhar de discípulo missionário

 

O exemplo dos mártires e profetas, como Dom Helder Câmara, ajudou-nos a olhar para o Brasil, mergulhado numa profunda crise que fere, no coração e na alma, a nós e a tantos irmãos e irmãs empobrecidos, excluídos e descartados.

 

Como se estivesse anestesiada, a população brasileira assiste ao fortalecimento de políticas neoliberais que retiram direitos e agravam a situação dos trabalhadores/as, dos povos indígenas, quilombolas, ribeirinhos, pescadores e dos que vivem em outras periferias geográficas e existenciais. As reformas trabalhista, previdenciária, política e da educação, bem como a retomada das privatizações mostram que o governo e o Congresso Nacional viraram as costas ao povo. A corrupção e a falta de ética, que atingem tanto a classe política, quanto empresarial e outros setores da sociedade, têm levado o desencanto e a desesperança aos brasileiros e brasileiras.

 

Causam-nos indignação a devastação da Amazônia, a degradação da natureza e a violência que ceifa a vida de lideranças, como o assassinato do casal Terezinha Rios Pedrosa e Aloísio da Silva Lara, ocorrido no Mato Grosso nesta semana, e o massacre de indígenas, em agosto deste ano, no Vale do Javari, Amazonas, divulgado enquanto acontecia o Congresso. O decreto do governo que extingue a Reserva Nacional do Cobre e Associados (Renca) é um duro golpe nos direitos dos povos indígenas e no bioma amazônico.

 

Essa realidade, longe de nos desanimar, cobra-nos uma ação missionária vigorosa, transformadora, libertadora. Revigorados pelo espírito da Conferência de Medellín que, há 50 anos, deu à Igreja Latino-americana o rosto de uma Igreja em saída, pobre, missionária e pascal, somos motivados a vencer a tentação da indiferença, do comodismo, do desencanto, do desânimo e do clericalismo presentes em muitas de nossas comunidades. Somos guiados pela fé e pela esperança cristãs capazes de reacender, no coração de todos, a chama do amor pela vida, pela justiça e pela paz.

 

Discernir os caminhos da missão que gera alegria

 

A palavra de Deus é luz, sabedoria e força que nos tornam discípulos missionários e missionárias ousados e criativos, mais capazes de colaborar com a transformação de estruturas caducas e a construção de uma nova sociedade, que seja sinal do Reino de Deus em nosso meio. Os documentos da Igreja são também fonte salutar que nos ajudam a compreender melhor a natureza missionária da Igreja. Nesse particular, destacamos as palavras e gestos do Papa Francisco, base do conteúdo deste Congresso. É surpreendente como ele se coloca à nossa frente, a passos largos e rápidos. Ele é, verdadeiramente, um profeta missionário que nos anima na caminhada.

 

A missão constitui verdadeiro kairòs, tempo propício de salvação na história. Somos provocados a sair de nós mesmos, deixar nossa terra, tirar as sandálias para “pisar” o solo sagrado do outro, como hóspedes, aqui e além-fronteiras. A proximidade e a reciprocidade levam ao encontro com o outro que faz contemplar o horizonte escatológico do Reino de Deus.

 

Na missão, animam-nos o testemunho e o profetismo de tantas mulheres e homens que encontraram sua alegria no Evangelho e a partilharam com os prediletos de Deus na radicalidade da doação de sua vida. Os profetas e mártires são exemplo de coragem e de fidelidade a Cristo e ao Evangelho até o extremo de entregar a própria vida: “Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida por seus amigos” (Jo 15, 13). Sustentados pela Palavra de Deus e pela Eucaristia, os missionários e missionárias têm, hoje e sempre, a responsabilidade de não deixar morrer a profecia, lembrando que “o sangue dos mártires é semente de novos cristãos”.

 

Na missão, Aquele que chama e envia, bem como a mensagem enviada e seu destinatário são maiores que o enviado, isto é, o missionário. Sem este, no entanto, não há quem seja enviado e a mensagem do amor de Deus não chega a seus destinatários. O missionário, porém, só cumpre autenticamente a missão se caminhar junto com outros missionários, vencendo a tentação do monopólio da Boa Nova, reconhecendo a riqueza da unidade na diversidade e ultrapassando os estreitos limites da Igreja particular para lançar-se ao mundo. No cumprimento da missão, os evangelizadores se lembrem de que sua alegria não está nos prodígios que possam realizar, no sucesso que venham a alcançar, mas em saber que seus nomes estarão inscritos na “memória afetiva de Deus” por terem sido fieis mensageiros do Evangelho (cf. Lc 10,17-20).

 

Comprometer-se com Jesus Cristo e o Reino de Deus para uma Igreja em saída

 

O 4º Congresso Missionário Nacional foi o encontro de irmãs e irmãos que partilharam sua fé, suas lutas, suas angústias, seus sonhos, suas esperanças. Durante todo o tempo, sentimos agir em nós o Espírito Santo, protagonista da missão, reforçando nossa convicção de que ser missionário é uma graça e uma responsabilidade. Por isso, renovamos nosso compromisso com a Infância e Adolescência Missionária e com a Juventude Missionária, em união com as demais expressões juvenis, a fim de que crianças, adolescentes e jovens sejam protagonistas da missão onde quer que estejam.

 

Reafirmamos a vocação dos cristãos leigos e leigas como sujeitos na missão. Confirmamos o testemunho das consagradas e consagrados, dos seminaristas, dos ministros ordenados – diáconos, padres e bispos – que cada vez mais assumem a missão como resposta ao chamado de Deus. Impulsionados pela Santíssima Trindade, viveremos esta nossa vocação na sinodalidade e na comunhão, comprometidos com a Igreja em saída que promove o encontro e anuncia a alegria do Evangelho a todos. Assumimos a tarefa de apostar, cada vez mais, nos espaços que nos ajudam a ser uma Igreja sinodal, fortalecendo os organismos e conselhos missionários em todas as instâncias.

 

Para a vivência da missionariedade é imprescindível a atitude da escuta. Contribui para isso a formação missionária contínua que alimenta nossa espiritualidade, cria a cultura da missão e contribui para que todos os batizados assumam sua vocação missionária. Assim, onde estivermos iremos ecoar o refrão que ficou gravado em nossos corações: “Tudo com missão, nada sem missão”.

 

Deixemos arder em nosso peito o apelo do Papa Francisco: “Saiamos, saiamos para oferecer a todos a vida de Jesus Cristo! (…) Mais do que o temor de falhar, espero que nos mova o medo de nos encerrarmos nas estruturas que nos dão uma falsa proteção, nas normas que nos transformam em juízes implacáveis, nos hábitos em que nos sentimos tranquilos, enquanto lá fora há uma multidão faminta e Jesus repete-nos sem cessar: ‘Dai-lhes vós mesmos de comer’ (Mc 6, 37)” (EG, 49).

 

Maria, Mãe Aparecida, comunicadora da alegria do Evangelho, caminhe conosco!

Recife, 10 de setembro de 2017 

Participantes do 4º Congresso Missionário Nacional.

 

????????????????????????????????????

Os membros da Pascom de nossa comunidade, em uma de suas reuniões, ao debaterem o que seria importante para a nossa comunidade, resolveram trazer para o Jornal Boa Notícia, artigos que contemplassem a ligação entre os pais e a educação escolar de seus filhos.

 

 

Já é hora, portanto, de avançarmos na reflexão da delicada relação escola-família. Pois bem, muitos pais se acham no direito de cobrar da instituição escolar atitudes educativas que ela considera dever da família, outros se manifestam totalmente contrários às posições da escola e que não entende como eles podem manter o filho na mesma.

 

Há um grande número de pais, notadamente entre os que matriculam os filhos em instituição particular, que acreditam poder exigir uma escola sob medida para seus filhos. Isso leva a pedidos ou exigências dos mais absurdos, como a troca de turma para o filho estar com amigos, troca de professor de sala ou de disciplina, maior ou menor quantidade de lição a ser feita em casa etc. Isso sem falar da relação pouco respeitosa que os pais mantêm com as regras de funcionamento da escola, tais como horário de chegada e de saída, datas e prazos, uso de uniforme, uso de telefone celular etc.

 

Por que tais solicitações são absurdas?

 

Porque a escola é o lugar de transição entre família e mundo em que os alunos aprendem, entre outras coisas, a viver sem escolher. Essa é uma das características da vida pública: não escolhemos os colegas com quem iremos trabalhar, as pessoas que estarão ao nosso lado no trânsito, as datas para pagar contas e tributos e as leis que temos de respeitar.

 

Precisamos nos lembrar sempre de que a escola tem o dever de preparar os mais novos para a cidadania. Por isso, demandas dos pais que privilegiam o âmbito privado não fazem sentido algum quando consideramos esse exercício que os filhos devem fazer ao frequentar a escola.

 

Esse aprendizado também tem sido dificultado pelo constatado declínio do trabalho educativo das famílias. Os alunos chegam à escola muitas vezes sem o processo básico de educação em curso. Mas, ao contrário do que muitos professores pensam, isso se deve pouco ao descaso ou à ausência dos pais e mais à nossa cultura que “juveniliza” os adultos. É que os jovens -não me refiro à idade cronológica- têm dificuldades de estabelecer relações educativas com os filhos.

Tal fato tem gerado muitas reclamações por parte da escola, porque os mestres, tanto quanto os pais, também estão submetidos a essa cultura. Uma coisa é certa: pais e professores têm objetivos comuns e precisam constantemente recordar que é a educação dos mais novos o foco de sua tarefa educativa. A maioria dos conflitos entre eles não considera esse ponto, e sim anseios próprios de cada um deles.

 

Enquanto tivermos pais aflitos com o que consideram sofrimento dos filhos na escola e em busca de soluções fáceis e escolas mais comprometidas com novas metodologias e com a busca de determinados perfis de alunos em vez de com o uso do rigor e da exigência para alcançar um ensino de qualidade, a relação entre ambos será, necessariamente, conflituosa e desastrosa. Quem perde são os mais novos, que deveriam nortear todo nosso trabalho.

 

Texto da Psicóloga Rosely Sayão adaptado por Eduardo Ferreira Abreu (Pascom)

Pais, não irritem seus filhos; antes criem-nos segundo a instrução e o conselho do Senhor. Efésios 6:4

Neste mês quero refletir com você sobre a Campanha Missionária realizada todos os anos no mês de outubro. Esta campanha é promovida pelas pontifícias obras missionárias.

 

 

O mês missionário tem sua origem no Dia Mundial das Missões (penúltimo domingo de outubro, este ano dia 22). A data foi instituída pelo papa Pio XI em 1926, como dia de oração e ofertas em favor da evangelização do povos. A inspiração vem do mandato de Jesus para anunciar a Boa Nova entre todas as nações.

 

O tema deste ano é: A alegria do Evangelho para uma Igreja em saída. E o lema: Juntos na missão permanente. O lema reforça a importância de caminharmos unidos, como Igreja, povo de Deus e anunciar a Boa Nova em todos os tempos e lugares. Fechar-se à dimensão missionária implica fechar-se ao Espírito Santo, sempre presente, atuante, impulsionador e defensor. Diante de tantas necessidades pastorais, de tantas situações de injustiças e de violências, nos fecharmos em nossas instituições, salões e templos seria um contra-testemunho evangélico, e estaríamos negando a natureza da Igreja, que é missionária. Igreja em saída é sermos uma Igreja próxima, aberta, capaz de sair de si para ir ao encontro das pessoas, por caminhos novos, como profecia para a sociedade. Este movimento de saída renova a nossa vida e revitaliza a Igreja. Saiamos sem medo para comunicar a todos as riquezas e os valores do Evangelho de Jesus Cristo, que salva e liberta.

 

O objetivo da campanha missionária é sensibilizar, despertar vocações missionárias, criar sempre maior consciência missionária nas comunidades eclesiais e em suas lideranças. Não podemos nos esquecer de que comunidade missionária é compromisso de todos.

 

Neste mês dedicado às missões, cada comunidade da paróquia deve dizer com ardor missionário e com consciência: nossa vida é missão. E assumir para valer este compromisso, através de gestos e atitudes missionárias. Chamo a atenção de todos e todas para o nosso projeto de visitas missionárias, que deve ser assumido por todas as  forças vivas e atuantes das comunidades que compõem a paróquia. Este projeto nos ajudará a concretizar a missão permanente, que é uma das cinco urgências na ação evangelizadora da Igreja no Brasil. A missão com a qual devemos colaborar é de Deus. Os batizados receberam “a missão de anunciar o Reino de Cristo e de Deus” e “de estabelecê-lo em todos os povos” (documento conciliar, Luz dos Povos 5). Não podemos fugir dessa responsabilidade. O Documento de Aparecida destaca a corresponsabilidade missionária de todos os batizados. Todos somos discípulos missionários a serviço de Jesus Cristo. Todos os membros da comunidade paroquial são responsáveis pela evangelização de homens e mulheres em cada ambiente (Documento de Aparecida 171).

 

Vivamos intensamente o mês missionário, nos fortalecendo no espírito missionário e nos comprometendo com uma Igreja de saída, como nos pede nosso amado papa Francisco e a Campanha Missionária deste ano. Saiamos, saiamos para oferecer a todos a vida de Jesus Cristo!

 

Que Jesus, o grande missionário do Pai, anime e abençoe a todos e a todas, para que juntos assumamos a missão permanente.

 

Que possamos evangelizar com amor, ardor, alegria e misericórdia, inspirados por Maria.

 

Padre Tarcísio.

 

Irmãos e irmãs, caminheiros em nossa paróquia. Neste mês, quero refletir com vocês sobre a missão dos cristãos leigos e leigas na Igreja e na sociedade. Esse foi o assunto da semana diocesana de formação deste ano, que aconteceu no final do mês de julho.

 

“Vós sois o sal da terra. Vós sois a luz do mundo”, cf. Mt 5, 13-14.

Para que sejamos sal da terra é preciso carregar a característica central: “Se o sal perde o sabor, com que lhe será restituído o sabor? Para nada mais serve, senão para ser lançado fora e pisado pelos homens”. Ou seja, se perdemos nossa característica central de cristão, não serviremos. O papa Francisco nos dá a dica para que mantenhamos nossa característica. Ele diz: “Jesus os olha com os olhos de Deus”, e sua afirmação entende-se como consequência das bem-aventuranças, com quem diz: se fordes pobres em espírito, mansos, puros de coração, misericordiosos, pacíficos, se tiverdes sede e fome de justiça, sereis sal da terra e a luz do mundo.

 

O Documento 105 da CNBB, que trata da missão dos leigos e leigas reflete sobre o cristão leigo como sujeito eclesial. Essa expressão pretende animar todos os cristãos leigos e leigas a compreenderem a sua própria vocação e missão como verdadeiros sujeitos eclesiais nas diversas realidades em que se encontram inseridos, reconhecendo o valor de seus trabalhos na Igreja e no mundo. Através dos leigos a Igreja se faz presente nos diversos ambientes sociais transmitindo e testemunhando a mensagem de Cristo, empenhando decisivamente na construção de uma sociedade totalmente justa, humana e inclusiva.

 

“O cristão leigo é verdadeiro sujeito eclesial na medida em que cresce na consciência de sua dignidade de batizado, e assume de maneira pessoal e livre às interpelações da sua fé, abre-se de maneira integrada às relações fundamentais com Deus, com o mundo, consigo mesmo e com os outros, e contribui efetivamente na humanização do mundo, rumo a um futuro em que Deus seja tudo em todos” (Documento 105, nº 124).

 

Portanto, o cristão leigo é sujeito eclesial na medida em que assume com responsabilidade, ousadia e criatividade a sua missão de animar o mundo com o espírito das bem-aventuranças, com o espírito de Cristo.

 

É cada vez mais urgente e necessário, que os leigos e leigas tenham consciência da sua missão própria e específica.

 

O beato papa Paulo VI, em seu famoso documento sobre a evangelização no mundo contemporâneo afirma no nº 70: “O espaço próprio da atividade evangelizadora dos leigos e leigas é o mundo vasto e complicado da política, da realidade social e da economia, como também da cultura, das ciências e das artes, da vida internacional, dos “mass media”, e outras realidades abertas à evangelização, como o amor, a família, a educação das crianças e adolescentes, o trabalho profissional e o sofrimento”. Além disso, eles têm o dever de fazer crível a fé que professam, mostrando a autenticidade e coerência em sua conduta.

 

São João Paulo II dizia que a evangelização do nosso continente não pode realizar-se hoje sem a colaboração dos fiéis leigos.

 

O documento de Aparecida diz no nº 111: “Os leigos também são chamados a participar na ação pastoral da Igreja, primeiro com o testemunho de vida, e em segundo lugar, com ações no campo da evangelização, da vida litúrgica e outras formas de apostolado, segundo as necessidades locais sob a guia de seus pastores”.

 

Que cada vez mais possamos contar com a atuação dos leigos e leigas na Igreja e na sociedade, como sal da terra e luz do mundo.

Que possamos evangelizar com amor, ardor, alegria e misericórdia, inspirados por Maria.

 

Padre Tarcísio

 

Neste mês quero refletir com vocês sobre a participação na celebração dominical

“A participação na Eucaristia seja verdadeiramente para cada batizado, o coração do domingo: um compromisso irrenunciável, assumido não só para obedecer a um preceito, mas como necessidade para uma vida cristã verdadeiramente consciente” (São João Paulo II, no início do novo milênio, nº 36).

eucaristia-missa

Muitos católicos contagiados pela sociedade atual, já marcada pelo secularismo, não estão dando suficiente atenção ao domingo e descuidam muitas vezes  da participação na celebração dominical. O domingo para muitos é apenas um dia do final de semana, para passeios, lazer, menos um dia para louvar e agradecer a Deus. Há pessoas que se dizem cristãs, e falam de uma maneira natural não ter participado da celebração dominical. Outros já dizem que quando faltam, parece que fica faltando alguma coisa.

Alguns justificam que estavam estudando para prova ou que estavam cansados. Aliás, para as coisas de Deus e da Igreja temos sempre desculpas e justificativas.

São João Paulo II, em sua Carta Apostólica Dia do Senhor, afirma que o domingo tem diversas dimensões para os cristãos: “é dia do Senhor, em referimento à obra da criação; dia de Cristo, enquanto dia da nova criação e do dom do Espírito Santo que o Senhor Ressuscitado concede; dia da Igreja, como dia em que a comunidade cristã se reúne para a celebração; dia do homem, porque é dia de alegria, repouso e caridade fraterna”.

O papa emérito Bento XVI, na Exortação Apostólica pós-sinodal, sobre a Eucaristia diz: “Cientes desse princípio novo de vida que a Eucaristia deposita no cristão, os padres sinodais reafirmaram a importância que tem, para todos os fiéis, o preceito dominical como fonte de liberdade autêntica, a fim de poderem viver cada um dos outros dias segundo o que celebram no “dia do Senhor”. Com efeito, a vida de fé corre perigo quando se deixa de sentir o desejo de participar da celebração eucarística em que se faz memória da vitória pascal”.

Quero destacar que além do domingo, existem também outros dias em que os fiéis devem participar da Eucaristia, os chamados dias santos, que podem ser considerados um domingo a mais na semana. São eles 01/01, Solenidade da Santa Mãe de Deus Maria, quinta feira depois da Santíssima Trindade, Solenidade de Corpus Christi, 08/12, Solenidade da Imaculada Conceição e 25/12, Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo. Ressalto que, para nós católicos, esses dias não são feriados civis como 07/09, 15/11 e 21/04, mas são dias santos.

A participação na assembleia litúrgica dominical, ao lado de todos os irmãos e irmãs com os quais se forma um só corpo em Jesus Cristo, é exigida pela consciência cristã.

Perder o sentido do domingo como dia do Senhor que deve ser santificado é sintoma de uma perda do sentido da autêntica liberdade cristã, a liberdade dos filhos de Deus.

Não podemos perder a referência cristã e sagrada do domingo, e também não podemos perder de vista que a missa dominical é o centro da vida cristã e o coração do domingo.

No seu discurso de abertura da V Conferência dos Bispos da América Latina e do Caribe, em Aparecida, Bento XVI falou da necessidade de dar prioridade, nos programas pastorais, à valorização da missa dominical.

“Temos de motivar os cristãos para que participem dela ativamente e, se possível, melhor ainda com as famílias. A participação dos pais com seus filhos à celebração eucarística dominical é uma pedagogia eficaz para comunicar a fé e um estreito vínculo que mantém a unidade entre eles”.

O domingo significou, ao longo da vida da Igreja, o momento privilegiado do encontro das comunidades cristãs com o Senhor ressuscitado.

É bom recordar que o domingo tem sua origem na Ressurreição de Jesus Cristo. Segundo unânime testemunho evangélico, a Ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos aconteceu no primeiro depois do sábado (Mc 16, 2.9; Lc 24,1; Mt 28,1; Jo 20,1). É nesta base que, desde os tempos apostólicos, “o primeiro dia depois do sábado”, primeiro da semana, começou a caracterizar o próprio ritmo da vida dos discípulos de Cristo (cf. 1 Cor. 16,2).

É claro que também a participação na Eucaristia dominical, deve nos comprometer com o Evangelho de Jesus, com o projeto de seu reino, e com a construção de uma sociedade totalmente justa e inclusiva. Ao final da missa, quando o padre diz “Ide em paz, e o Senhor vos acompanhe”, ele está nos enviando em missão. Que cada um faça essa pergunta a si mesmo: A Celebração dominical é prioridade em minha vida cristã?

Que possamos evangelizar com amor, ardor, alegria e misericórdia, inspirados por Maria. Que Deus abençoe a todos e a todas.

Padre Tarcísio.

 

DÍZIMO: COMPROMISSO, PARTILHA E GRATIDÃO

 

Neste mês quero refletir com vocês sobre o dízimo.

Somos convidados a assumir o dízimo na perspectiva da partilha solidária, e por razões pastorais. Dízimo não é esmola, não são alguns trocados que nos sobram. O nosso dízimo é usado nos trabalhos da Ação Evangelizadora da Igreja, que visa concretizar o projeto do Reino de Deus. Portanto, favorece a missão da Igreja, que é evangelizar.

 

dizimo-o-que-e

 

O Dízimo é bíblico, e, é encontrado em muitos livros da Bíblia, desde o Gênesis até as cartas paulinas. Indico alguns textos bíblicos para que você, caro leitor possa, ler e meditar: Gênesis 14,17-20; 28,20-22; Êxodo25, 1-9; Levítico 27,30-33; Eclesiástico 35,4-10; Deuteronômio 14,22-23; 26,1-13; Tobias 1,6-7; Provérbios 3,9-10; 11,24- 26; 2ª Coríntios 9,6-12. Estes textos ajudam a entender que o dízimo é um ato de reconhecimento de tudo o que Deus faz em nosso favor. Podemos afirmar que é uma ação de graças à bondade infinita de Deus para com todos nós.

 

O dízimo é questão de participação consciente e madura na vida da comunidade. Seu objetivo é evangelizar; o dizimo é o meio, nunca o fim, é o meio que leva para a evangelização, porque através dele a pessoas e sente corresponsável pela vida da comunidade, é uma tomada de consciência de sua pertença à comunidade.

O Dízimo deve ser mensal, e sempre reajustado quando houver aumento nos rendimentos da pessoa. Não podemos oferecer o mesmo valor sempre.

 

Dízimo e Oferta, qual dos dois?

 

É preciso não confundir Dízimo com oferta.

Oferta é aquilo que nós doamos à igreja, geralmente aos domingos, durante a celebração. Na oferta doamos aquilo que nos aprouver, surge conforme a situação. Oferta também é aquilo que doamos nas campanhas que a igreja promove, como a Campanha da Fraternidade, Campanha Missionária, Campanha para a Evangelização, campanhas de reformas ou de construções de templos, etc.

 

Dízimo é uma pequena fração dos nossos rendimentos, dados em forma aquilo que recebemos de Deus; é compromisso cristão, é sinal de fidelidade a Deus e à Igreja. Devolvemos a Deus um pouco do muito que dele recebemos. “De graça recebeste, de graça deveis dar” (Mt 10,8).

 

A Bíblia fala que o dízimo deve ser 10%, aos poucos devemos nos conscientizar e chegar realmente ao que nos fala a Palavra de Deus. Em nossas comunidades, já tem pessoas que doam os 10%, mas cada um deve dar conforme decidir em seu coração. Se você pode dar 5% não dê 4%, se você pode dar 6% não dê 5%, se você pode dar 3% não dê 2%, se você pode dar 10%, não dê 9%. “Deus pode enriquecer vocês com toda espécie de graças, para que tenham sempre o necessário em tudo e ainda fique sobrando alguma coisa para poderem colaborar em qualquer boa obra” (2ª Coríntios 9,8).

 

Porque será que quando se trata das coisas de Deus e da Igreja temos uma tendência para o mínimo? A fé de muitos cristãos não chega ao bolso, ou seja, não os leva a fazer a experiência da partilha, sinal do projeto de Deus.

 

O que é feito com o dízimo que doamos?

 

O dízimo é usado levando em consideração três dimensões:

 

Dimensão religiosa = atende às despesas de manutenção e conservação da igreja (templo). Estas despesas são: hóstias, vinho, material para as pastorais, impressos para a evangelização, folha diocesana, luz, água, telefone, salários, encargos sociais, velas ornamentação, material de escritório, material de limpeza, manutenção do carro da paróquia, conservação e manutenção dos Centros Comunitários e da Igreja da V. Fátima.

 

Dimensão social = atende as pastorais sociais, no socorro aos necessitados.

 

Dimensão missionária = atende ao trabalho de expansão da fé. Contribuímos com o Seminário Diocesano na formação de novos padres, com as despesas da diocese, e com a formação de agentes de pastoral para a paróquia.

 

Sugiro que retomem a leitura da carta que eu escrevi a todos e a todas, manifestando a minha preocupação com a situação do dízimo nas comunidades que compõem a paróquia. Nesta carta, relatei que desde 2015, o dízimo arrecadado nas comunidades está estacionado, sem aumento significativo, e que o valor arrecadado não corresponde às nossas despesas. Pedi a todos que tivessem condições para aumentar o valor do dízimo, e os que estivessem atrasados, de o colocarem em dia, dentro de suas possibilidades.

 

Deus seja louvado e glorificado com seu gesto de partilha e de generosidade.

Vamos evangelizar com amor, ardor, alegria e misericórdia, inspirados por Maria.

Que Deus rico em misericórdia abençoe a todos e a todas.

 

Padre Tarcísio.

 

 

Na minha palavra deste mês dirigida ao povo de Deus que caminha nas comunidades que compõem a paróquia, quero fazer uma reflexão sobre o grave momento político, ético e econômico do nosso país. Essa minha reflexão será inspirada nas notas da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), sobre o dia do trabalho, e sobre o grave momento nacional.

 

A crise que nosso país vive é mais ética e moral que econômica.

 

bandeira-do-brasil-crise

 

Nossos bispos perguntam: O que está acontecendo com o Brasil? Um país perplexo diante de agentes públicos e privados que ignoram a ética e abrem mão dos princípios morais, base indispensável de uma nação que se queira justa e fraterna. O desprezo da ética leva a uma relação promíscua entre interesses públicos e privados, razão primeira dos escândalos de corrupção.

 

Desvios de dinheiro público, cobrança e recepção de propinas viraram “lei” e se tornaram meios de vida para a grande maioria dos políticos brasileiros. Pessoas que foram eleitas como nossos representantes no parlamento, para servir ao bem comum de todos, transformaram a política em um balcão de negócios espúrios, transformando o bem comum em bem pessoal, e legislando em causa própria, e com isso negam a ordem e o progresso expressos em nossa bandeira. Todas essas situações nos fazem temer o futuro, sufocam a esperança, e impedem a superação da miséria e da desigualdade social. Uma das coisas que mais atrapalha o crescimento econômico de nosso país é a praga da corrupção.

 

Na nota sobre o grave momento nacional, nossos bispos dizem que é urgente retomar o caminho da ética como condição indispensável para que o Brasil reconstrua seu tecido social. Só assim a sociedade terá condições de lutar contra os males que mais afligem a vida dos brasileiros, como a violência contra a vida, o tráfico de drogas, o desemprego, a malversação dos bens públicos, o abuso do poder econômico e político, crimes ambientais, e falta de políticas públicas para a saúde, saneamento básico e de inclusão social dos mais pobres. Intimamente unida à política, a economia globalizada tem sido um verdadeiro suplício para a maioria da população brasileira, uma vez que dá primazia ao mercado, ao lucro a todo custo, em prejuízo da pessoa humana e de suas necessidades básicas, quando deveria ser o contrário. Essa economia mata, descarta e torna os mais pobres uma massa sobrante.

 

Nenhum desenvolvimento será autêntico e verdadeiro, se a pessoa humana, criada à imagem e semelhança de Deus, não tiver a primazia.

 

No esforço de superação do grave momento atual, são necessárias reformas, que se legitimam no diálogo com toda a sociedade, com vistas ao bem comum. Percebemos uma má vontade muito grande do poder executivo e legislativo em escutar a população, os seus clamores e os seus anseios. Projetos e reformas são feitos em gabinetes, por meio de conchavos políticos que visam tirar direitos e conquistas sociais dos mais pobres, sem atingir os que já são abastados. É de desejar que a reforma da previdência se torne uma oportunidade para a retomada da participação cidadã em torno de tantas questões que estão exigindo hoje uma nova abordagem e novas providências de ordem política, social e econômica.

 

Na nota sobre o dia do trabalho, nossos bispos encorajam a organização democrática e mobilizações pacíficas em defesa da dignidade e dos direitos de todos os trabalhadores e trabalhadoras, com especial atenção aos mais pobres. O Papa Francisco também afirma: Nenhum trabalhador sem teto, terra e trabalho.

 

Temos que dizer em alto e bom som aos poderes executivo, legislativo e judiciário, que tirem as mãos de nossos direitos, e que não aceitamos nenhum direito a menos.

 

Apesar de toda essa situação grave do nosso país, não vamos perder a esperança de dias melhores. O povo brasileiro tem coragem e fé. Confiemos no Deus da vida que está do lado dos sofredores e sofredoras.

 

Que possamos evangelizar com amor, ardor, alegria e misericórdia, inspirados por Maria.

 

Padre Tarcísio

 

Tempo Pascal: vida nova, nova criação, nova comunidade e povo da nova aliança. Cristo está vivo, venceu a morte e as forças contrárias ao seu projeto de vida, de salvação e de libertação. Sua missão continua na vida e na missão dos seus discípulos de ontem e de hoje.

tempo-pascal

A comunidade cristã é o lugar privilegiado para se encontrar com o Ressuscitado. Quando a comunidade no dia do Senhor se reúne para ouvir a Palavra e para partir o pão, ali ele pode ser ouvido e visto com os olhos da fé.

O Cristo Ressuscitado é o centro da comunidade cristã, e ao seu redor ela se estrutura e dele recebe a vida que a anima e que lhe permite se lançar na missão sem medo, e enfrentando as dificuldades, os desafios que são muitos, nessa mudança de época, e diante de uma globalização da indiferença.

Não é necessário exigência de sinais extraordinários e miraculosos para provar que Jesus ressuscitou. Jesus é o grande milagre de Deus. Basta a fé nas provas e nos sinais que encontramos na vida da comunidade cristã, para crer que de fato Jesus venceu a morte, e está vivo.

Na vida de comunidade encontramos as provas de que Jesus está vivo. É no encontro com o amor fraterno, com o perdão dos irmãos, com a Palavra proclamada, com o Pão de Jesus partilhado (Eucaristia), na partilha e no serviço que se descobre Jesus Ressuscitado.

Diante da incredulidade de Tomé e dos incrédulos de hoje Jesus diz: “Bem- aventurados os que creram sem terem visto!” (Jo 20,29).

O Tempo Pascal é um tempo privilegiado e propício para uma maior valorização da comunidade cristã e da missão que ela recebeu de Cristo Ressuscitado.

Sem comunidade, não há como viver autenticamente a experiência cristã, e a Paróquia tem o grande desafio de ser este espaço, como nos afirmou o Documento de Aparecida.

A comunidade cristã é a experiência de Igreja que acontece ao redor da casa. É a Igreja que está onde as pessoas se encontram, independentemente dos vínculos de território, moradia ou pertença geográfica. No Novo Testamento, a palavra “casa” muitas vezes significa a comunidade – igreja, construída por pedras vivas (1Pd 2,5).

A comunidade cristã é casa da Palavra, na qual o discípulo escuta, acolhe e pratica a Palavra. Continuem os valorizando nossos grupos de base, que ajudam as comunidades a ser casa da Palavra.

A comunidade cristã é casa do pão. Ela vive da Eucaristia, que alimenta a vida de seus membros, e os envia a testemunhar a vida nova que brota da ressurreição de Jesus.

A comunidade cristã é essencialmente uma comunidade, que dá testemunho de Cristo Ressuscitado, na força da Eucaristia.

A comunidade cristã é casa da caridade. Sendo missionária, a comunidade cristã anuncia Jesus Cristo com gestos concretos de promoção e defesa da vida em todas as suas fases, e trabalhando pela justiça e pelos direitos da pessoa humana, principalmente dos mais pobres. Sendo casa da caridade a comunidade precisa investir no trabalho e na articulação das pastorais sociais.

Valorizemos cada vez mais a vida de nossas comunidades, as pastorais, os grupos de base, principalmente as pastorais sociais que são a expressão mais viva e fiel de uma Igreja Samaritana. Valorizemos os agentes de pastoral, que sem dúvida são um dom de Deus para a comunidade cristã. Renovemos neste Tempo Pascal nosso compromisso com o mandato missionário de Jesus: “Como o Pai me enviou, também eu vos envio” (João 20,21);

“Vão e façam com que todos os povos se tornem meus discípulos” (Mt 28,19);

“Vão pelo mundo inteiro e anunciem a Boa Notícia para toda a humanidade” (Mc 16,15).

Que possamos evangelizar com amor, ardor, alegria e misericórdia, inspirados por Maria.

Que a paz do Cristo Ressuscitado esteja com todos vocês.

Padre Tarcísio